CANDLEBOX - Stand

[postlink]http://rocknrollpost.blogspot.com/2012/04/candlebox-stand.html[/postlink]http://www.youtube.com/watch?v=gPzCfPFI8G8endofvid[starttext]O Candlebox foi formado em maio de 1991 quando Kevin Martin (vocal) e Scott Mercado (bateria) resolveram formar sua própria banda junto com o baixista Perry Alferness. Eles ficaram sem um guitarrista até que um amigo sugeriu Peter Klett. As coisas andaram rápido, Peter trouxe a base para “Pull Away”, “Change”, e “Don’t You”, que viriam a ser as primeiras composições da banda. Nos ensaios seguintes, o baixista Perry é dispensado e Peter passa a ensaiar com mais freqüência até entrar definitamente na banda em novembro de 1991. No mês seguinte, a banda consegue um baixista definitivo, Bardi Martin, que havia estudado no mesmo colégio que o vocalista Kevin. Bardi ensaiou algumas vezes e construiu a linha de baixo de “You” e “Far Behind”. Naquela época, a banda ainda não tinha um nome definitivo. Na procura de um nome, eles chegam até uma música da banda Midnight Oil, chamada “Tin Legs And Tin Mines”, que tinha um trecho que dizia “boxed in like candles”. Com um pequeno jogo de palavras, estava decidido o nome da banda, Candlebox. De início, o Candlebox teve alguma dificuldade para conseguir destaque na concorrida cena de Seattle. Os espaços para tocar em clubes eram muito disputados. A banda e seu primeiro empresário, Chris Banks, venderam alguns pertences pessoais para conseguir o dinheiro para gravar a primeira demo em estúdio, na intenção de ganhar mais divulgação a partir daquela gravação. Os resultados foram bastante positivos, e logo em seguida a banda passou a fazer shows com freqüência. Em pouco tempo, todas as cópias disponíveis da fita demo haviam sido vendidas nas lojas locais e algumas cópias chamaram a atenção de representantes de gravadoras, que passaram a assediar a banda. Essa disputa das gravadoras pelo Candlebox foi muito positiva para a banda, que via aumentar as chances de ganhar exposição, mas por outro lado, gerava crítica de alguns setores de que o Candlebox estaria tentando “pegar carona” no grunge, ao seguir o estilo em busca do sucesso. No entanto, seus integrantes sempre afirmaram em entrevistas que não se consideram uma banda grunge. Todos os membros do Candlebox são da região de Seattle, contrariando informações que circularam na imprensa de que a banda teria sido formada em Los Angeles e se mudado para Seattle. Ainda em 1992, a banda acabou assinando contrato com a gravadora Maverick Records (de propriedade de Madonna em sociedade com a Warner Music) e imediatamente entrou em estúdio para gravar seu primeiro álbum com a ajuda do produtor e amigo Kelly Gray. Duas das músicas da fita demo também entraram no CD, “You” e “Far Behind”. O primeiro lançamento da banda foi o single “Change” em junho de 1993, que foi também o primeiro videoclip, gravado em Portland. O álbum, auto-intitulado “Candlebox” chegou as lojas em julho de 1993, recebendo críticas bastante divididas. No entanto, como o Candlebox foi uma das primeiras contratações da gravadora Maverick, a banda conseguiu assegurar uma boa divulgação para o seu trabalho, e com a ajuda do segundo single, “You”, em outubro de 1993, as vendas do disco alcançaram 500 mil cópias. Com o lançamento da balada “Far Behind”, em fevereiro de 1994, a banda conheceu o topo. Ainda foi lançado mais um single do álbum “Candlebox”, outra balada, “Cover Me”, que também fez bastante sucesso. Em meio ao sucesso repentino, o Candlebox tocava em turnês com bandas do calibre de Rush e Metallica, além de participar do festival Woodstock ‘94, sendo a única banda do festival que naquele momento estava entre as dez mais vendidos na parada da Billboard. No final de 1994, o disco “Candlebox” atingia a marca de 3 milhões de cópias vendidas. Em 1995 a banda retornou ao estúdio para gravar seu segundo álbum. Depois de oito semanas de gravações, o resultado foi “Lucy”, lançado em outubro. O primeiro single foi “Simple Lessons”, que não teve boa aceitação de público. O próprio disco sofreu críticas pesadas da imprensa, que o considerou sem identidade e com melodias muito fracas e não memoráveis. O segundo single deste álbum foi “Understanding” que teve um videoclip dirigido pelo prestigiado diretor Gus Van Zant. O video não trouxe muito fôlego ao disco, que logo despencou nas paradas, tendo vendido 500 mil cópias, o que, apesar de ser um bom número, foi considerado um fracasso em virtude do desempenho do álbum anterior. Depois de um tempo inativa, a banda remota as atividades de composição das músicas de seu terceiro álbum em setembro de 1997. O objetivo desta vez era trabalhar mais tempo nas músicas e ficar bastante tempo em estúdio. Mas houveram problemas. O baterista Scott Mercado, que já vinha se interessando por outros projetos, resolve deixar a banda definitivamente para tocar jazz. A banda chegou a fazer alguns ensaios com o baterista Matt Sorum (ex-Guns N’ Roses), mas acabou fechando com Dave Krusen, ex-Pearl Jam. A banda parecia estar numa estagnação criativa, na medida em que tinha dificuldade em compor material novo, e a mudança na formação deu um novo gás ao grupo. O novo álbum, “Happy Pills” foi lançado apenas em julho de 1998, passando despercebido pela mídia e obteve baixa vendagem. A banda seguiu tocando em frente, para a nova turnê foi chamado o guitarrista Robbie Allen, com o objetivo melhorar a pegada do som. Mas durou pouco, em fevereiro de 1999, Dave Krusen anunciou que estava saíndo do Candlebox, pois não tinha interesse em continuar com as turnês. A banda cancelou alguns shows até que conseguisse um novo baterista, mas um novo choque acontece quando o baixista Bardi Martin também resolve sair. Bardi, que estava no Candlebox desde o início, disse que queria retomar a faculdade. Kevin Martin e Peter Klet decidiram continuar e chamaram o baterista Shannon Lerkin e o baixista Rob Redick para concluir a turnê de “Happy Pills”. A turnê continuou bem e a banda parecia revigorada. Mas assim que a turnê foi finalizada, Peter Klett também decide sair, deixando Kevin Martin como o único membro original. Kevin entrou em estúdio com Spider e Rob com a intenção de compor músicas para o quarto disco do Candlebox. Um total de 32 músicas foram compostas nesse período de ensaios. Mas não havia futuro. Em junho de 2000, Kevin anuncia que, não iria continuar sua carreira usando o nome Candlebox e rompeu com a Maverick, estabelecendo seu próprio selo, Tympanic Records. Em 2006, a Rhino Records lançou o “Best Of”, uma compilação do Candlebox. Os membros da banda foram contatados, o que levou a formação da banda original a se reunir pela primeira vez em 10 anos. Para promover a compilação, o Candlebox embarcou em uma turnê norte-americana. Bardi Martin saiu da turnê em 2007 para continuar seus estudos e se tornar um advogado, permitindo que Adam Kury tomasse o seu lugar. Durante esse tempo, a banda trabalhou em um novo material, “Into The Sun”, lançado em 2008. fonte: last fm A ultima grande banda Grunge ou a primeira de Pós Grunge?, o que importa é que els fizeram um bom sucesso nos anos 90 e lançaram seu novo álbum este ano que não deu em nada, Candlebox se mostra ser uma daquelas bandas que não deixaram saudades, apesar do som não ser ruim. [endtext]

3 comentários:

Blog UaiMeu! disse...

Gostei da introdução mto loka!
abraços

Juliana Marques disse...

Gostei do som e como disse o cara aqui em cima, a introdução é muito foda!

Paulão Fardadão Cheio de Bala disse...

É bom qdo cai a luz.

Postar um comentário

 
Real Time Analytics